segunda-feira, novembro 20, 2006

Sonho

E um dia ninguém mais sonhou.

Este poderia ser o início de uma nova saga ao estilo do Saggie (o nome carinhoso com o qual rebaptizei Saramago depois de anos zangada com ele).
Os sonhos são algo de imprevisível e de fantástico.
Nunca sabemos de antemão o que vamos sonhar e por vezes, o sonho ultrapassa tudo aquilo que pensamos ser os limites da nossa imaginação.
E mais, os sonhos têm a fabulosa capacidade de nos tornarem o dia miserável ou verdadeiramente excepcional, dependendo se consideramos o sonho que tivemos algo de bom ou um verdadeiro pesadelo que, só de nos lembrarmos dele, nos deixa verdadeiramente mal dispostos.
Já me aconteceu deitar-me e tentar condicionar o meu sonho, tentando pensar muito sobre algo ou alguém, na expectativa de que durante o sono, a minha imaginação teça alguma história acerca disso. Claro que isso só acontece com coisas, acontecimentos agradáveis...
Um sonho recorrente que tenho é um em que estou a voar. Não tenho asas, apenas voo. Pairo sobre o céu e acontece-me andar por aí a pairar perto dos prédios...vejo dentro deles pessoas que conheço... Terei talvez um lado voyerista mas que sonho muitas vezes isto, sonho.
Depois há aquele sonho que quando acontece é muito engraçado: sonho que estou a cair e que nesse instante, desperto e a sensação é a de que acabo de aterrar abruptamente no colchão! É uma sensação muito estranha!
Tudo isto para dizer que, pela primeira vez (pelo menos que me recorde) sonhei com este blog.
Parece completamente de sentido, e de facto, é. Mas os sonhos não têm que ter significado (pelo menos não para mim) e o blog foi o tema central deste sonho. Nele acedia ao blog e de repente via que havia uma lista enorme de novos contribuidores com nomes que, apesar de muito estranhos e diferentes, já não lembro. E havia muitos novos posts também. No sonho procurava identificar aquelas pessoas, mas não conseguia chegar até lá apenas pelos nomes...
Apenas me lembro que acedia ao blog através de um computador da minha Escola Secundária! (depois é isto: o sonho é completamente uma máquina misturadora desta e daquela vivência...)
E lá estava eu no sonho: verdadeiramente intrigada com aquelas novas pessoas...

E foi isto, nada de especial, mas fica o registo do sonho com o Bacalhau com Natas.

1 comentário:

Maria disse...

Também sonho minha linda e muito!!

Os sonhos que falas - aqueles que temos quando estamso a dormir - todos os dias me visitam e acompanham. Muitas das vezes atormentam-me mesmo. Tornam o sono menos descansado e acordo mais exausta do que no momento em que fechei os olhos para dormir.

Esse sonho em que se cai e de repente se desperta com a sensação de aterragem abrupta no colchão também o tenho recorrentes vezes! Medos reais que invadem os sonhos?
Nem vou por aí...
Já deixei de ficar a pensar nesses sonhos há muito tempo...

Já me dão muito trabalho aqueles que sonho acordada.....

Bons sonhos...