sexta-feira, janeiro 12, 2007

Bacalhau com Natas...preparativos de 1º Aniversário

No dia 21 de Janeiro de 2006 nasceu o menino. O parto foi simples. Assim que rebentaram as águas ele pôde finalmente ver a luz do dia e todos se regozijaram com este acontecimento!
Entre um festim de massas italianas foi dado a conhecer à sociedade, ainda recém-nascido. Todos reconheceram naquele rebento um futuro promissor, pois seria educado por pessoas do mais alto nível, o distinto G+G (grupomaisgiro!).

Um ano se passou, doze meses ora então volvidos e o pequeno Bacalhauzinho foi crescendo, foi-se desenvolvendo, foi amadurecendo.
Este percurso ainda jovem foi sendo registado por vídeos, fotografias, narrativas de toda a espécie. E a educação do Bacalhauzinho foi sendo comentada, acompanhada pelo grupo de tutores de sempre.

Iniciando-se num aparente velho manuscrito, de um amarelo envelhecido, foram sendo registadas as primeiras crónicas de vida do petiz bacalhau.

Entre saudações endereçadas ao recém nascido, houve quem lhe tivesse oferecido um Quadro de Monet e ainda quem evocasse uma menina azul; outros ainda ofereceram poemas de Sophia de Mello. Como o bom humor também é parte integrante da vida, o recém-nascido também recebeu uma história que, certamente, lhe arrancou a primeira gargalhada e que marcou a primeira peripécia do grupo mais giro. Indissociável do nascimento do menino estará sempre o facto de uma das suas tutoras ter a mesma data de aniversário. São, portanto, do mesmo signo; resta saber se terão o mesmo ascendente. Talvez mais tarde o Bacalhau o viesse a descobrir.

Como o desenvolvimento dos Bacalhaus não se compara ao dos humanos o Bacalhau, ao segundo mês de existência, já possuía imensas e complexas competências! Para além de se ter visto envolvido em mais uma aventura com os seus tutores em terras do Gerês, o Bacalhau apercebeu-se da existência de um pecado mortal que assola os seus tutores – a preguiça. Foi nesse mês que descobriu o sentimento mais nobre do Mundo – o Amor - e se apercebeu dos laços fortes que unem alguns dos seus tutores entre si. Conheceu também a história de duas meninas, Violante e Violeta num ‘Voo de Borboletas’ que lhe fez ver que a vida também engloba a morte e que as memórias são tesouros. Passeou pelo Porto, através de uma fotografia da Ponte da Arrábida e viu o pôr-do-sol, enquanto saboreava um Café no ‘So It’ entre os seus tutores.

Em Março, o jovem Bacalhau fez novas descobertas. Os sentimentos que descobriu eram mais densos: descobriu o fogo da paixão, num ‘Quero Sentir-te’ quente e avassalador. Espreitou timidamente a Primavera que tardava em chegar, deleitou-se com um Café Lusitano e embriagou-se em poesia. Viu a Lua de perto, escutou um Mar Sonoro e conheceu uma enorme lista de Coisas Boas da Vida. E descobriu que, entre elas, uma coisa boa da vida era a amizade, retratada em imagens e Vozes Reluzentes! Ah e aprofundou conhecimentos sobre o Porto, a bela cidade que o acolhia.

Mas era preciso alargar horizontes, ultrapassar fronteiras e, em Abril e pela primeira vez, o Bacalhau viajou. Visitou o Rio de Janeiro, e deliciou-se ao ver como uma selva de pedra surgia por entre a floresta e a praia. Deu um mergulho, meteu-se no avião até Madrid e sentiu Borboletas no Estômago enquanto andou numa gigantesca montanha-russa.
Pela primeira vez visitou também uma exposição de arte -a (De)formatos - e compreendeu como as fronteiras vão além das físicas, como as que cruzou de avião ... Elas residem também na nossa mente e devem ser ampliadas, derrubadas.
Sentou-se num esplanada e deliciou-se com um Crepe de Menta e de Chocolate, enquanto lia um convite para um Café num Bar do Alex, onde conheceu uma nova tutora oriunda da Inglaterra. Foi nesse mês que surgiu a sua primeira Crise de Identidade quando bebeu a nova Frize de Bacalhau e se questionou se ao bebê-la não seria um acto de canibalismo...


As viagens continuaram em Maio e o Bacalhau conheceu Londres, a Cidade-movimento, onde tirou muitas fotografias porque lá aprendeu que ‘Recordar é Viver’. Constatou que os seus tutores lhe tentavam ensinar algo sobre a ‘Guerra dos Sexos’ mas na verdade isso apenas contribuiu para perceber que era assexuado. Recebeu uma T-shirt oferecida pelo G+G e assim assumiu-se como um apreciador da moda. Com o calor e o bom tempo a surgir, o nosso Bacalhau apercebeu-se que o Verão era já mais do que uma Promessa.


Aliás o Verão chegara e o nosso Bacalhau já completava seis meses! Iniciou-se na Culinária com um Arroz acompanhado de bolinhos de ‘Bacalhau?!!’ (novamente as tendências canibalistas vieram ao de cima...). Para desenjoar de si mesmo, saiu para as ruas em busca de Sardinha Assada e batata cozida e andou às marteladas no S. João. A sobremesa foi Amoras.
Envolveu-se numa nova peripécia com os seus tutores entre a Praia e o Algarve. Leu um excerto do livro mais lindo do mundo ‘O Principezinho’ e descobriu que para ser feliz só precisava de ir Aonde o Coração o levasse. E o coração levou-o a dançar no Coliseu do porto, ao ritmo de sons quentes e envolventes.


Em Julho, o Bacalhau adquiriu uma Barba Rija à Tuga. Já era um adolescente! Na rota dos sabores, experimentou a comida Japonesa e saboreou sushi, embora teimasse em oferecer-lhe Bolinhos de Bacalhau! Torceu pelo seu País no Euro 2006 e percebeu que as Teias do Amor são danadas para a brincadeira!!

Com Leveza de Ser se descreve o estado de espírito do Bacalhau em Agosto em que partiu rumo ao Alentejo e de deixou estar, pachorrento. Até que algo o assombrou, pois o Universo havia uma nova ordem e Plutão afinal deixaria de ser planeta! Mas logo tornou a embalar-se e teve ‘Sonhos de Todas as Cores’. Cantou também os Parabéns às suas tutoras e pensou que quando fosse mais crescido queria ser igual ao Mick Jagger e conquistar o mundo a cantar o Rock and Roll!

Mas como a vida é feita de ócio mas também de trabalho, o Bacalhau teve que assumir as suas responsabilidades e voltar ao trabalho. Mas foi cheio de energia depois de um concerto com o grupo musical mais docinho ‘os Pearl jam’ onde cantou até ficar afónico! Andou a passear por Lisboa e embrenhou-se pela pacata e deliciosa vilazinha de Óbidos. Divertiu-se a fazer ‘Bolhinhas de Sabão’ e delicou-se com um Bolo em forma de Joaninha.
O seu mundo nunca mais foi o mesmo depois de ter estado no meio de uns Gatos (Cats) dançarinos e absolutamente fenomenais! Com o Outono a chegar devargarzinho, escutou belas melodias e ouviu sussurros de poemas de Eugénio.


Em Outubro, uma nova mudança. Era quase adulto o Bacalhau e para o assinalar vestiu-se de cores sóbrias para o Inverno. Como estava frio refugiou-se no quentinho da casa, abrigado da chuva, a bebericar um Chocolate Quente e a ouvir canções de um anjo, entremeadas com sons de Jazz e de ‘Pozinhos de Pirilimpimpim’. Leu duas histórias acerca de duas Princesas que afinal de contas lhe eram tão familiares e adormeceu. Sonhou com duas ‘Abobrinhas: Hallo & Ween’...

Acordou e era Dezembro. Estava muito frio, mas o Bacalhau queria ‘Acrescentar vida aos seus dias e não dias à sua vida’ por isso foi até Copenhaga visitar uma Sereia. Pelo caminho conheceu novas pessoas: uma Marta Raquel e João, ambos com histórias de vida diferentes mas igualmente humanas. Deu um salto, ainda que breve a Londres e redescobriu a cidade. Quando regressou o Bacalhau sentia-se ‘Cosy’. Entretanto, teve um presente de Natal: uma das suas tutoras ofereceu-lhe um contador de visitas, dado o extenso numero de amigos do tão querido Bacalhau.
Entretanto, visitou uma maravilhosa exposição de Arte e deixou-se embuír pelo espírito natalício...
O final do ano chegara e o Bacalhau celebrou em grande: entre Karaoke e uma festa com Agentes Secretos, o Bacalhau com Natas fechou os anos e formulou o desejo de ‘Um ano novo cheio de sorrisos e sucessos... e de canções de amor ‘.

Janeiro de 2007 – enquanto Medita na Pastelaria o Bacalhau já não mais pensa no ano que passou mas sim de que forma vai ser o ano de 2007. Prestes a soprar velas, no seu 1º Aniversário pensa para consigo como será homenageado pelos seus tutores e amigos?
Sim, porque o Bacalhau é vaidoso, guloso, excêntrico, modesto, inteligente, ingénuo e cheio de imensas outras qualidades...

Então, prontos para o Homenagear?? Eu já lancei o mote...

4 comentários:

Madalena disse...

Querida menina,

deliciei-me, mais uma vez, ao ler o seu texto.

Relembrei um ano em meses, em histórias, em brincadeiras, em passeios, em cafés, em férias,..., sempre com o pano de fundo da amizade.

O Bacalhau, que já tem quase um aninho, merece, sem sombra de dúvidas, uma comemoração/homemagem.

Ele foi durante este ano um grande companheiro, revelador de personagens, pessoas, aspirações e desejos. Espero que assim permaneça.

Toca a planear o aniversário do ano: o do Bacalhau, claro!!!!!

A si, obrigada pelo sorriso que me colocou neste início de tarde.

Maria disse...

Minha linda,

Mais uma vez fica aqui o meu agradecimento. Desta vez estou-lhe grata pela memória. Grata pela delicia desta pequena viagem pelo passado recente. Grata, como a Má-Dá, pelo sorriso que me proporcionou neste iníco de tarde.

Para o 2.º ano de vida do Bacalhau tenho um desejo: que continue a ser um ponto de encontro de emoções, de reflexões e algo mais.
Que nos sintamos sempre bem na sua companhia. E que tiremos dele todo o proveito.

Parabéns ao nosso Bacalhau.....

Ivana disse...

Leste cada postinha com amor e saboreaste cada uma...

Juntaste tudo e fizeste um guizadinho fántástico!

Betty disse...

Um percurso de vida tão curto, mas já tão intenso, magistralmente retratado pela nossa Carminho!

Todo o carinho, alegria, disponibilidade e boa disposição que transmites aos teus tutores, faz com que sejas um Bacalhauzinho muito especial para todos!

Que as estrelas te guiem, a felicidade te acompanhe e a alegria te persiga...Luta pela vida, já te vejo do lado dos vencedores!