quarta-feira, setembro 16, 2009

A morte do artista

Ontem à noite, ao fazer zapping, dei com a repetição dos MTV Video Music Awards 2009, que este ano tiveram lugar na Big Apple.
De modo que decidi assistir ao mega evento pensando que tinha tido muita sorte (ou não …)., porque aquilo estava mesmo a começar .
E começava com um discurso emocionado de Madonna que, com uma grande poupa (literalmente!) e circunstância, evocava o desaparecido Michael Jackson. Palavra aqui, palavra ali, a senhora subitamente dá-nos conta de uma surpreendente novidade: ‘’Michael was a human being’’!
Da primeira vez que o disse, pensei: ‘’Ok, a gente anda cá é para aprender e a moça (que diz que vai a caminho dos 50) ainda está em tenra idade de adquirir noções acerca da espécie humana’’.
Quiçá deslumbrada com a sua descoberta, Madonna sentiu necessidade de reforçar a sua ideia umas cinco ou seis vezes e estou convencida que a plateia também não estava a par deste facto uma vez que aplaudiu esta constatação com o entusiasmo com que a comunidade médica internacional recebe a notícia da descoberta do gene responsável pelo aparecimento da doença de Alzheimer.
A cantora teve oportunidade de recordar uma tentativa feita num passado de perceber o que de facto Jackson era. Numa atitude corajosa e semi-atrevida, Madonna conta ter telefonado para MJ e convidá-lo para jantar fazendo, no entanto, uma exigência que fosse sem guarda-costas. O convidado (que ela não sabia muito bem o que era na altura) acedeu e deslocou-se com as costas expostas aos mais terríveis perigos ao dito encontro. Sozinhos no carro e estando MJ usando óculos escuros, a Ma(n)donna, toda esquisita, pede-lhe que tire os óculos para lhe ver os olhinhos.
Ora foi aqui que a porca começou a torcer o rabinho que isto não se faz!!
Um artista de renome mundial como era o ‘finado’ tem cá agora que aceder aos caprichos de uma material girl (i.e. uma rapariga de um material não especificado) e ainda por cima esquisita!?
Ora eu cá ter-lhe-ia dito: Num tiro!! Tira tu primeiro o botox e o silicone, olha-me esta!! I’m Bad, i’m bad, you know it, you know! Who’s bad?
No entanto, o senhor astronauta (porque afinal de contas ela aí já sabia, apesar de desconhecer a humanidade de MJ, que ele já tinha obrigatoriamente ido à Lua, porque era da sua autoria o moonwalk) tirou os óculinhos e a senhora sossegou ao perceber que, afinal, ele não tinha uma câmara oculta na viseira como o Exterminador Implacável.
Mas a história do encontro prosseguiu. Foram para casa dela ver um filme (pois, pois, ver um filme … chamam-lhe muita coisa, pfff!!). Bom, contava ela que numa certa parte do filme, o ser que ela agora sabia ter olhinhos, boquinha e ouvidinhos, fez algo inesperado: segurou-lhe a mão!!!
(O choque ficou estampado nos rostos dos ouvintes, que esbugalharam os olhinhos de curiosidade).
No entanto, ao contrário do que seria de esperar não se seguiu nenhum ‘’Na Cama com Madonna’’. Não!
Na verdade, não aconteceu mais nada. Ela apenas não retirou a mão e deixou que o ‘astronauta’ a segurasse. No final do filme, cada um foi para sua casa e ela nunca mais teve contacto com ele. E foi isto. Apenas isto. Não disse qual era o nome do filme, sobre o que conversaram. Os factos revelados foram estes. Madonna tão pouco dissertou acerca das conclusões retiradas nessa noite tão ‘exploratória’.
No entanto, nos VMA’s esta história partilhada pela diva fez soltar soluços emocionados, enquanto Madonna se lamentava ter-se afastado de MJ quando surgiram os boatos maledicentes acerca do cantor.
«- He was a human being, He was a human being, He was a human being, He was a human being …» - repetia ela.

Fez-me pensar: porque é que a nossa humanidade muitas vezes só é atestada após a morte do artista?


(Mais coisas esquisitas e perturbadoras aconteceram nestes VMA's 2009.
Um senhor rapper ou coisa do género resolveu subir ao palco e envergonhar uma rapariguinha jovem que tinha arrebatado o prémio de Melhor Vídeo de Artista Feminino. A moça estava a agradecer com humildade e tal e o rapazola mal comportado subiu ao palco, tirou-lhe o microfone e disse: '' A Beyoncé tinha o melhor vídeo de sempre''!.
Escusado será dizer que a mocita - Taylor Swift -ficou ultra-embaraçada e coradita. E eu a pensar que isso só acontecia nos Globos de Ouro da SIC!! Que vexame!!

De seguida, aparece-me em palco a figura de Lady GaGa, uma rapariguita que, diziam eles, aspirava à fama desde que tinha largado as fraldas. Super atenta - até porque a moça era nas palavras deles, 'especialistas': « A Revelação, o Talento, a Mulher mais Sexy'' do ano - assisti à sua performance em palco.
Uma rapariga de 23 aninhos vestida com uma cuequita branca, uns collants até às coxitas e um soutien fatelinha, envergava uma peruca a lembrar o Wolfgang Amadeus Mozart. Cantava, com um olhar vazio e voz arrastada, uma música tão igual a tantas outras. Balbuciava Pappa-Rrazzi, vezes sem conta e, para terminar em beleza, no final simula um suicidio por esfaqueamento, ficando ali, em pleno palco, toda borradita de liquido vermelho, a evocar um jorro de sangue.
Que grande patetice aquela! E ao que se chega para se ser famoso ...
Para terminar em beleza, veio a Beyoncé ao palco. Antes, porém, chegaram as suas coxinhas (para não dizer coxonas) que as boas cantoras querem-se em palco de carnoca ao léu. Ah, pois é!! Mais uma vez, a rapariga abanou-se como se estivesse a ter um espasmo ou um ataquezito. Mas a malta gostou bem e aplaudiu.

E eu? Eu, apaguei a televisão e fui nanar!!)

4 comentários:

Ivana disse...

Melhor só mesmo a tia Manuela, que salvava o cão (melhor, este fugia), o quadro e a PME ("piquena e média empresa"). Sim! ´Porque ela não é retrógrada!
Gostei.

Maria disse...

Muito mau..... sao os artistas que temos!!!

Muito boa a tua descricao!!! Muito bom mesmo...

Ao menos no meio desta bodegada toda surgem os teus textos, que sao sempre excelentes!!

Betty disse...

Quanto à tia Manuela, se ela quiser, dou-lhe umas aulas de Língua Portuguesa... fica sempre bem no Curriculum Vitae... dela, claro!

Quanto aos artistas, a esses nem as aulas de ética os salvava.

Li disse...

Dá sim Betty, que ela bem precisa!!