quinta-feira, outubro 05, 2006

Viagem ao centro do Porto

Levantou-se rabujenta bem cedo no feriado. A ideia de ter que sair da cama para se meter nas "canalizações" da cidade parecia de repente parva e sem sentido... Era feriado, dia de ficar a dormir até mais tarde, de preguiçar e de pensar que o vale dos lençois é o nosso refúgio...
Mas lá se decidiu e foi. Pelo caminho encontrou-se com a amiga que também integrava o grupo que visitaria nessa manhã os subterrâneos do Porto, pela mão dos SMAS. O percurso no carro até o jardim de Arca D'Água foi feito com os óculos de sol postos, para que a luz do sol não ferisse a ténue disposição arrecadada face à preguiça matinal. À chegada, a curiosidade acerca das condições em que seria feita a visita, se haveria mesmo necessidade de galochas, se era mesmo necessário o casaco e impermeável.
E de repente viram-nos. Bem dispostos e ainda sonolentos, todos os do grupo lá estavam, alguns no café, a preparar-se para a "visita". Olhavam-se todos para apreciar quem ia, quem ficava, e os sorrisos lá iam aparecendo. Afinal, eram cúmplices nesta aventura.
A abertura para as entranhas da cidade da qual tanto gostava foram abertas e o mundo subterrâneo foi-se mostrando a pouco e pouco. Os túneis, os canais de água, a escuridão, os sorrisos tímidos no início e as gargalhadas libertas depois, os deslizes, o som da água que corre imperturbável, a humidade constante, e a sensação de que a força humana pode mais do que pensamos.
As palavras de Germano Silva adoçaram este passeio e a sua sabedoria foi a cereja no topo do bolo. No final o cansaço foi recompensado com a constatação de que a cidade do Porto é cada vez mais bonita. Namora connosco sem pudor e pisca-nos o olho de forma provocadora.
Gostei muito desta aventura.
Fotos? Visita aqui.

2 comentários:

Razul disse...

That's a journey to the center of...
the guts of Porto.
Sei que galochas is a must, mas ainda não lá fui.
Deu para sentir um pouco como é, pela tua descrição...
um dia destes contas-me pormenores, pode ser?

Madalena disse...

Pois é... mais uma aventura!!!!

A verdade é que nós gostamos mesmo é deste tipo de passeios. Ah e tal e coisa, que não volto a meter-me em cenas desta e... tal outra vez.

É tudo mentira, gostamos sim e bem! E sabem que mais no fim tudo vale a pena, e a alma essa saí sempre enriquecida.

E também é verdade que aos poucos e poucos descubro aquela cidade onde habito a 26 anos, e que mal conheço. Mas a vida tem sido simpatica comigo e aos poucos e poucos, coloca determinadas pontes no caminho para eu as atravessar e ultrapassar aquelas barreiras.

Começou por um trabalho no Centro Histórico, numa casa recuperada, com gabinete no terceiro andar, com vista para a ribeira e o rio douro. Um trabalho que exigiu percorrer aquelas ruelas, falar com o pessoal da ribeira, e tudo mais que vocês nem imaginam,

Colocou uma visita, que nos levou as profundezas da passagem da água e que nos fez caminhar, muitas das vezes, sem saber por onde, e chegar a destinos que provavelmente não fariamos a pé.

E assim vai continuar a ser; à descoberta do Porto.

Obrigada pelo convite, obrigada pela companhia.