quinta-feira, setembro 21, 2006

Se desse outono

Se deste outono uma folha,
apenas uma, se desprendesse
da sua cabeleira ruiva,
sonolenta,
e sobre ela a mão
com o azul do ar escrevesse
um nome, somente um nome,
seria o mais aéreo
de quantos tem a terra,
a terra quente e tão avara
de alegria.

(Eugénio de Andrade in "Sal da Língua")

Está à espreita o Outono... Vem visitar pela primeira vez este blog, mas recorre nas nossas vidas.

Preparem-se para a sua chegada.
Munam-se de casacos timidamente quentes ainda,
Atentem às folhas que se pisam nos passeios,
Comprem um guarda chuva colorido ou daqueles transparentes,
Olhem o sofá como uma promessa de aconchego,
Aproveitem os fins de tarde num café acolhedor,
Apreciem o chá de forma plena.

O Outono é um velho amigo... tratem-no bem.

1 comentário:

Razul disse...

Good choice, Cannonball. Um dos meus favoritos, com Rollins, Dex, Ben, Prez (Lester Young) e Roland Kirk. A minha amiga além de escrever bem e ter notorious (sem ser o do Hitchcock) cultural background, tem excelente gosto. Infelizmente só volto a estar programado para o Hot5 lá para Dezembro, mas por vezes apareço inopinadamente nas jam sessions das quintas feiras. I hope you could hear my sax one of these days... nem que seja para não achares grande coisa... é que eu não sou o Cannonball... mas esforço-me! Obrigado por me visitares.
Um sorriso, uma abraço e um beijo.
O trio de afectos, como escreveste.
Para ti do Rui Azul