terça-feira, setembro 19, 2006

Bom dia.
O texto que se segue é uma prova de saudável insanidade matinal. Para que possa compreender melhor o estado de espírito em que foi escrito, experimente clicar na caixa abaixo, deixe a música rolar e, aí sim, inicie a sua leitura.

Boa viagem!




Defendo que a vida deve ter sempre uma banda sonora. Defendo que cada dia merece uma música.
Sou pelas flores, pelo sol, pela chuva. Sou pela areia que se entranha pelos dedos dos pés e pelos gelados de cone. Sou pelas noites em claro, e pelos dias escuros. Sou pelos cometas e pelas estrelas, pelo lado oculto da lua e pelos óculos de sol espelhados. Defendo as libelinhas e sua loucura de um só dia, e acho que as unhas vermelhas são um must.
Sou pelos risos abafados onde são proibidos, pelas gargalhadas sonoras no parque, pelas lágrimas silenciosas em frente ao mar. Defendo os passeios de bicicleta e as pastilhas elásticas Gorila.
Somos todos pó de estrelas.
Sou pelos casacos quentes vermelhos e pelos guarda-chuvas que se viram com o vento.
Bom dia.

2 comentários:

Madalena disse...

Ora cá está uma boa defesa!

Não, não me parece que a menina Ivana esteja com problemas de insanidade. Ainda que, deixe que lhe diga, que momentos de insanidade produzem momentos verdadeiramente fantástico de lucidez.

Sim é verdade. Por exemplo, Fernando Pessoa, para quem não sabe era esquizofrénico, e era exactamente nos seus momentos de maior insanidade que redigia aqueles que hoje são considerados poemas maravilhosos.

Isto tudo para dizer que quando estamos na conchinha é exactamente quando nos damos ao trabalho de olhar para nós e tirar verdadeiras lições de vida.

Defendo também imensas coisas, como as unhas vermelhas (aliás nem era preciso dizê-lo), os casacos vermelhos (e o Keanu Reeves e as casas na lagoa), as lágrimas, a areia, o mar e tudo mais que já foi identificado como as coisas boas da vida.

Também defendo algumas das coisas más ou menos boas da vida, porque sem elas, não eramos quem somos hoje e não dariamos valor as coisas boas.

Viva a estes momentos de insanidade e partilha e a todos os outros que venham aí.

Beijos rechunchudos

Má-da

Maria disse...

É nos momentos de maior insanidade em que tomo decisões que nunca tomaria no meu estado normal que percebo que estou viva!!!
É nesses momentos que muitas vezes nem mesmo eu sei compreender que sinto a vida a invadir me de uma forma linda, inexplicável!!
É nesses momentos que sei apreciar belezas que não estão à vista nos momentos de lucidez!!

Ainda há poucos dias tive um desses momentos de insanidade.. As consequências vêm a caminho!!! Daqui a umas semanas falamos sobre a experiência....