quinta-feira, janeiro 22, 2009

Por Amor à Crise

Não resisti! Achei fantástica a opinião/exposição feita aquela que considero ser a palavra mais pronunciada em Janeiro de 2009: CRISE.

Opinião por Ricardo Araújo Pereira

"A crise está em crise

A todos os executivos que mantiveram Portugal em crise desde 1143 até hoje, muito obrigado. Ou estou fortemente enganado (o que sucede, aliás, com uma frequência notável), ou a história de Portugal é decalcada da história de Pedro e o Lobo, com uma pequena alteração: em vez de Pedro e o Lobo, é Pedro e a Crise. De acordo com os especialistas - e para surpresa de todos os leigos, completamente inconscientes de que tal cenário fosse possível - Portugal está mergulhado numa profunda crise. Ao que parece, 2009 vai ser mesmo complicado.
O problema é que 2008 já foi bastante difícil. E, no final de 2006, o empresário Pedro Ferraz da Costa avisava no Diário de Notícias que 2007 não iria ser fácil. O que, evidentemente, se verificou, e nem era assim tão difícil de prever tendo em conta que, em 2006, analistas já detectavam que o País estava em crise. Em Setembro de 2005, Marques Mendes, então presidente do PSD, desafiou o primeiro-ministro para ir ao Parlamento debater a crise económica. Nada disto era surpreendente na medida em que, de acordo com o Relatório de Estabilidade Financeira do Banco de Portugal, entre 2004 e 2005, o nível de endividamento das famílias portuguesas aumentou de 78% para 84,2% do PIB. O grande problema de 2004 era um prolongamento da grave crise de 2003, ano em que a economia portuguesa regrediu 0,8% e a ministra das Finanças não teve outro remédio senão voltar a pedir contenção. Pior que 2003, só talvez 2002, que nos deixou, como herança, o maior défice orçamental da Europa, provavelmente em consequência da crise de 2001, na sequência dos ataques terroristas aos Estados Unidos. No entanto, segundo o professor Abel M. Mateus, a economia portuguesa já se encontrava em crise antes do 11 de Setembro.
A verdade é que, tirando aqueles seis meses da década de 90 em que chegaram uns milhões valentes vindos da União Europeia, eu não me lembro de Portugal não estar em crise. Por isso, acredito que a crise do ano que vem seja violenta. Mas creio que, se uma crise quiser mesmo impressionar os portugueses, vai ter de trabalhar a sério. Um crescimento zero, para nós, é amendoins. Pequenas recessões comem os portugueses ao pequeno-almoço. 2009 só assusta esses maricas da Europa que têm andado a crescer acima dos 7 por cento. Quem nunca foi além dos 2%, não está preocupado. É tempo de reconhecer o mérito e agradecer a governos atrás de governos que fizeram tudo o que era possível para não habituar mal os portugueses. A todos os executivos que mantiveram Portugal em crise desde 1143 até hoje, muito obrigado. Agora, somos o povo da Europa que está mais bem preparado para fazer face às dificuldades."
Portugal rules

1 comentário:

Li disse...

O RAP fala verdade a brincar, mas há quem também fale verdades de forma séria e vale a pena reflectir ...

«...Bom, dir-se-á, pelo menos o Estado está mais equilibrado. O que também começa a não corresponder à verdade. Foi verdade até finais do ano passado. Mas o défice orçamental para que aponta o orçamento “de verdade” (o primeiro foi a fingir) que acaba de ser apresentado à Assembleia da República, o défice público irá já para cerca de 4% do PIB, isto é, a um pouco menos de meio caminho entre a meta prometida e o valor que tinha quando este Governo tomou posse, segundo a auditoria da “amigo” Vítor Constâncio, o tal que parece ser melhor a auditar o défice público do que as contas dos bancos que lhe compete supervisionar. Veremos como é que este Governo vai deixar as Finanças Públicas quando a próxima auditoria for feita.

Temos, assim, as seguintes conclusões, em minha opinião:

1.- Apesar de ter vivido com o cinto apertado durante três anos, o país estava menos preparado para resistir a crises internacionais do que esteve noutras circunstâncias;

2.- Por isso mesmo, atirar com todas as culpas para a CRISE MUNDIAL é uma falácia, apenas repetida até à exaustão porque os livros da política ensinam que qualquer afirmação, mesmo que seja mentira, será tomada como verdade se for suficientemente repetida;

3.- Nem mesmo aquilo que poderia ser a bandeira mais desfraldada por este Governo – a do equilíbrio orçamental – chegará ao fim do mandato a voar.»

...

Excerto da crónica A FALÁCIA DOS ARGUMENTOS - Magalhães Pinto - VIDA ECONÓMICA - 22/1/2009