sexta-feira, maio 04, 2007

"Snasphot escrita" de Londres


Inspirada no fabuloso relato de Paris enviado há um mes pela menina de riso cristalino, CB e em resposta a outra menina, a doce AB, que pediu novidades, aqui vai uma "snapshot" em palavras sobre a cidade que me acolheu.


Londres pode ser tudo e nada. (Poético, certo?)

Pode ser a cidade que engole e destrói uma inocente pessoa.
Mesmo aqueles que chegam cá a julgar-se donos do mundo, “espertalhaços” e cheios de truques podem acabar reduzidos a nada.
Na cidade onde a toda a hora chegam vindas de todo o mundo meninas de 16 ou 18 aninhos, que passados 6/8 anos de uma vida intensa de muito exagero e muitas noites corridas acabam reduzidas a um trapo.
E na noite encontra-se tudo o que se quer. E o que não se quer encontrar também nos aparece pela frente. Pelo menos é o que dizem.

Uma cidade cheia de workaholics e gente descontraída que vive a vida gozando-a.
Disseram-me que nos "trading floors da bolsa" se aguenta o ritmo às custas de muita cocaína. Não vi isso. Mas acredito. Aqui acredito em tudo. E em nada.

Aqui o que hoje é a "next big thing" amanhã caiu no esquecimento colectivo e já ninguém se lembra em que consistia, ou mesmo que chegou a existir.
A cidade onde existem mil bandas, mil filmes, inúmeras pecas de teatro e musicais; onde as tendências são mais do que muitas!
E no final é tudo uma questão de modas.
A Moda está por todo o lado. Ser Fashion.
Estar na moda.
Viver na zona trendy.
Brick Lane, Bethnal Green ... East London está a ficar trendy e eu estou lá.

Por aqui existe muita cultura, mesmo muita. Alguma é gratuita, outra nem por isso. Muitos museus e galerias.. Muita arte!!!!

Uma cidade onde todos são diferentes. Onde em 100 metros me cruzo com gente de todo mundo. De tal forma que parece que estou dentro de um anúncio da United Colors of Benetton. Gosto disso. Faz-me sentir mais real. Mais eu. Mais latina.
Na verdade, aqui convivem lado a lado a menina inglesa de micro saia, top e sandálias com a senhora muçulmana toda vestida de preto de quem só conseguimos vislumbrar os olhos!!!
As crenças e os cultos são muitos. O culto do dinheiro, do corpo, do sucesso, do glamour, da religião. Numa cidade onde a moda pode ser uma Deusa sedutora.
E na Voss Street (talvez uma das ruas mais estreitas de Londres!!!) que aloja a Rosemoon House até existe uma minúscula espécie de mesquita!!!

A cidade onde o chá se bebe com um pouco de leite. E não é que é mesmo viciante?
E onde encontrar scnones não é tão fácil como seria de supôr. Mas os do Tesco (supermercado tipo minipreco) aquecidos no microondas com geleia ou manteiga são deliciosos.

Esta metrópole onde deve existir a maior concentração de ipods por pessoa por metro quadrado. Na rua, no metro, no bus pessoa sim pessoa não, vai a ouvir o seu ipod. Até em alguns escritórios se ouve a música através dos ipods.

Uma cidade repleta de parques, mercados e feiras. Parques que por esta altura do ano ficam repletos de grupos de pessoas que disfrutam tardes de piquenique, jogos e “flirts”. Feiras como a de Brick Lane (domingo de manhã), uma espécie de feira da Ladra, onde eu e o P vamos procurar cds, filmes e livros por 1£ / 2 £. Serão artigos roubados??? Claro que sim, mas isso já não me diz respeito. Ou mercados como o das Flores em Columbia Road (também ao domingo de manha), onde se vê gente linda a comprar flores. Disse-me o meu homem, o meu mais que tudo, que é um bom sítio para ir "engatar" ou "conhecer miúdas". Isso e o Tesco às 5.as feiras à noite. Bem, isso não vos sei dizer. E ele agora também não. Hihihi Ainda em relação ao mercado das flores giro é ver no final os leilões para "despachar as plantas e flores!!!"

Numa cidade de modas o Vintage está na moda. Tudo o que as nossas mães e avós usaram tem valor comercial em Londres, e é transaccionado em mercados próprios. Se quiserem encham um contentor com tralhas (seja o que for) e mandem que eu trato de vender. É mesmo de ficar pasma face ao que aqui se venda. Coisas que eu deitaria fora em Portugal. E reparem, eu não sou snob!!! Nem pouco mais ou menos!! Mas lojas e mercados em segunda mão... Ufa já perdi a conta!!!

Numa metrópole onde se anda muito a pé, de metro e de bus. Sinto saudades do TA (o meu Peugeot) mas de conduzir ainda não. As pessoas levam as sapatilhas / ténis (como queiram) calçados com os fatinhos. Chegam ao work e mudam para os sapatos formais. E depois no regresso a casa voltam a mudar de novo.

Numa cidade onde há câmaras por todo lado e onde a paranóia do terrorismo fez com que partes da cidade tenham sido completamente desprovidas de caixotes do lixo. Resultado: as pessoas deixam o lixo em todo o lado, seja nos bancos do metro ou do bus, nas paragens, no meio da rua!!! O que a juntar com a quantidade incrivel de diferentes jornais diários e semanais distribuidos gratuitamente em alguns pontos estratégicos contribui para níveis surpreendentes de lixo por todo o lado.

Pode-se dizer que é uma cidade de homens de negócios. E de PA's (personal assistants ou secretárias). O fato das ditas meninas e das mulheres executivas tende a ser preto. Aliás aqui parecem que não conhecem as outras cores. (Aliás, saliente-se o preto nem sequer é cor, mas vocês perceberam). Tudo de fatinho preto. E podem crer que irrita quando combinam preto com preto!!!

A cidade onde se vai ao pub enfrascar a valer na Happy Hour. Onde nunca é cedo demais para uma cerveja. Onde beber champagne nos clubes é chique. Onde, muitas das vezes, as mulheres bebem bastante mais do que os homens.

Em Londres, porque existe gente de todo mundo, existem pequenas cidades dentro da cidade: a Chinatown, Little Bengal, Little Lebanese... Escolham!! Por isso mesmo existem restaurantes típicos de 500 mil países. Já experimentei uns quantos!!! Só ainda não consigo comer com os pauzinhos (devo ser a única pessoa a viver em Londres que pede faca e garfo no restaurante chinês ou no vietnamita!!!! Aliás, eu tenho vergonha de pedir, portanto sobra para o meu P.).

Numa cidade onde aos primeiros raios de sol vai tudo para a rua. Mal as temperaturas sobem vai tudo buscar as havainas, as t-shirts, os calcões e os vestidos de Verão e toca a arejar. Mesmo que de um ponto de vista neutro (o meu!!!) esteja frio demais para aquela roupa!!!

Uma cidade cheia de autocarros vermelhos que me fazem ter saudades dos antigos autocarros da STCP!!!! Uma cidade com táxis por todo lado. E ciclistas que irritantemente andam em "zigzag" pela rua. Já quase fui atropelada por uns quantos.

Aqui os fãs do Chelsea são mesmo uma minoria, e são os únicos a gostar do “Special One!” Bem, agora que cá estou o clube de fãs tem um reforço!!!! Hihihi just kidding!

Quanto à Rosemoon House, por lá continuam as peripécias do dia-a-dia.
Lá onde uma "little princess de cinamon sparkles on her chickes" tenta equilibrar os pratos da balança que tendem para o lado masculino, representado pelo seu mais que tudo, amor lindo, e pelo engenheiro informático da casa (nunca lhe chamem técnico informático que as consequências poderão ser terriveis!!!).
A casa ganha cor, ganha sabor, ganha sentido a cada dia que passa. Passo a passo vai se tornando a nossa "cosy home". A janela da cozinha até já tem cactos, uma roseira e um vaso de margaridas! Tao lindos!!
De devagar se vai ao longe..
O ditado português está a verificar-se em Londres...
Os jantares megalomanos continuam. Lasagna, Bolonhesa, Carbonara, Bacalhau com Natas e Bacalhau à Bràs são já especialidades da Casa. O chefe P., responsável pela façanha, anda a aperfeiçoar o Bacalhau com Broa. As sopas e o arroz são do meu departamento. As omoletes, o frango e os bifes com couve flor, queijo e bechamel estão tambem no ponto, e até a aprendiz de culinária os consegue preparar.
O livro das receitas de chocolate espera por mim. Sim, G, eu vou lá chegar. Garanto te que sim. Sou suficientemente teimosa para tentar até conseguir algo decente.

Para finalizar vou desmitificar a ideia de que Londres está envolvida em nevoeiro. Tretas. Desde que cá estou só esteve um névoa de fim de tarde uma vez. Acho que o mito urbano nasceu algures na intersecção da poluição da Revolução Industrial, das histórias do Sherlock Homes e nas noites terríveis de matança protagonizadas por Jack, o estripador.


Tenho saudades vossas. Dos cafés. Das saídas de sábado a noite. Das gargalhadas e dos sorrisos. Do Porto visto da Ponte da Arrábida. Da Praia da Luz. De Leça. Das natas do Vouga Rio e dos intermináveis lanches e pequenos almoços por lá tomados. Das fugidas de fim-de-semana ou das férias. Do Porto, de Lisboa, de Aveiro e do Alentejo. Tenho saudades de Portugal. Mas estou em casa. Porque casa é onde somos felizes e onde está o nosso coração. O meu está por cá.


A Little Princess em Terras do Império de Sua Majestada, a Rainha Beta

4 comentários:

Ivana disse...

LINDO LINDO!

Miss you too...

Madalena disse...

Minha linda,

está fantástico.

Já te tinha dito. É para reforçar a ideia.

Adorei.

Miss you too

Beijos muitos e gordos.

Carminho disse...

I’m flabbergasted!

Do not forget dinner at 09 p.m.,
12 nd!

:) ****************************

Lots of love, lobe! ;)

Juana disse...

E não é que me fizeste ir ao dicionário, Carminho!!!

flabbergasted - as if struck dumb with astonishment and surprise

:-)
Estou sempre a aprender!!!