sexta-feira, março 12, 2010

Nó na Garganta: um desabafo …

(mais uma canção, mais uma história ... Bom fim-de-semana!)


Ela: Às vezes, sinto que estou a desperdiçar a minha vida estando com ele.

A amiga: Ele ama-te, consegue-se percebê-lo na forma como te olha, do modo como te trata …

Ela: Como me trata?! Ele recusa-se a casar comigo!

A Amiga: (silêncio) Não sabia que querias casar, que isso era assim tão importante para ti…

Ela: E não é! O casar pela igreja, a cerimónia, a festa, …, isso tudo até dispenso porque realmente cada vez mais acho que é um desperdício de dinheiro que faz falta para outras coisas! Mas é o gesto, o pedido formal de que eu seja mulher, companheira dele para sempre. Algo que me mostre que ele vai estar sempre lá para mim da mesma forma que eu estou lá para ele e que não ande alguns dias com dúvidas sobre nós, noutros aparentemente feliz!
Ele Diz-me que sou promíscua, que tive muitos relacionamentos anteriores fugazes e não consegue perceber como pude andar com alguém sem intenção de que fosse algo para durar. Ele nunca imaginou casar com uma mulher assim. Diz que se guardou para a mulher ideal e que, embora me ame, eu não sirvo as medidas dele, desse sonho de ‘’mulher perfeita’’!

A Amiga: Não imaginava …

Ela: Pois não, não imaginavas. Ninguém imagina o que eu passo! Estou condenada a relações amorosas falhadas! (silêncio) ... acho que já não aguento mais isto. Esta relação pela metade. Este querer e não querer! Já passei dos 30 e tenho medo de não aguentar, de explodir, de sair de casa ... tenho medo de ficar sozinha ....

A Amiga: (silêncio)

(Abraçam-se)


3 comentários:

Madalena disse...

Conheci em tempos alguém com o mesmo "problema". Escusado será dizer que achei a decisão dela de permanecer naquela relação uma grande palermice.

Hoje à luz do tempo e muitos anos volvidos percebo que que quando se gosta muito de alguém se tolera tudo, até a falta de amor.

Já dizia o outro: "O Amor é fodido"

Maria disse...

Pois, acho que a Madalena acertou no alvo. É que quando se gosta muito de alguém perdoa-se / desculpa-se / aceita-se (quase) tudo.

Li disse...

Será isso gostar de alguém ou será antes não gostar de si próprio? Não será a redenção o verdadeiro acto de Amor?
Amor é fogo que arde sem se ver, mas será Amor aquele que nos queima, nos dilacera por dentro?

Tantas perguntas sem resposta...
Acho que só quem por lá passa consegue encontrar as respostas, ainda que por vezes as tente silenciar...