terça-feira, dezembro 09, 2008

Mesmo por cima do Tritão, a sombra da Senhora da Pena surgiu. Olhou-me com ar triste. Depois o nevoeiro desceu mais e quando chegamos ao terraço todas nós eramos orvalho. Gotículas pousavam nos cabelos mas o vento leva-as para longe.
Sintra ficou coberta de luzes na noite. Pirilampos em cada gota de chuva.
E os sorrisos povoaram a serra.

4 comentários:

Maria disse...

Estou a adorar os teus textos!!
São subtis e profundos!!
Sim, gosto bastante!!
Mais, mais, mais....

Madalena disse...

Ficou o desejo de lá voltar de novo, para ver tudo o que não foi visto.

Adorei

Li disse...

Uma descrição muito poética e bonita de Sintra.
Lembrou-me dias maravilhosos lá passados. :)

Betty disse...

Sinto-me em paz quando estou em Sintra... mesmo que a chuva caia e o vento sopre e se avizinhe uma tempestade.
Voltarei...